sexta-feira, 30 de março de 2012

A terceira lei



A força que delego a algo ou a alguém vem de mim.
A lei de ação e reação também age sobre os sentimentos, fazendo de nós eterna parede de sensações.
Eu decido o que quero emanar, para assim estar apta a receber.
Se a parede de lá nada me devolve é hora de dar as costas e ir adiante, em outra esquina, para outro instante!

Aline Larissa Leite de Araujo

quarta-feira, 28 de março de 2012

Ca(fé)


Talvez certas mágoas assemelhem-se a língua queimada de café.
Fruto de uma ansiedade por vezes dispensável, do sopro de ternura que não veio.
Incomodo.
E quando você pensa que passou, a mágoa ou a língua manifestam-se, sensibilizadas pelo ardor, pela dor.
Nos dois casos o tempo tem me parecido preciso para anuviar o desconforto.
De todo modo, se faz necessário que queimemos a língua e o peito, a alma e a boca.
Não haverá sapiência que se faça em circunstâncias refrescantes, ou crescimento edificante que não venha do conflito com sentimentos inferiores.

Aline Larissa Leite de Araujo

quinta-feira, 22 de março de 2012

Shhhh



Muitas vezes as pessoas só querem dizer...
Não precisam da opinião que ora julgas relevante.
A faculdade de ouvir precisa ser valorizada, puramente,
sem juízos de valor.
Palavras em demasia desgastam no sentido.
Devemos escolhê-las com cuidado.
E sobre tudo, necessitamos perceber o momento de falar.
Portanto, se eu me calar num dado momento, compreenda-me...
Meu silêncio é minha maior prova de respeito ao seu clamor!

Aline Larissa Leite de Araujo

domingo, 18 de março de 2012

Raro


Eu não me interesso pelo que é comum.
Tão pouco pelos sentimentos que todos insistem em cultivar.
Cada um de nós sente de uma forma, querer que tudo esteja igual,
vulgariza as coisas,  diminui os momentos, inverte os valores.
Deixe-me com minha mania de acreditar nas pessoas, de esperar
o melhor de cada uma delas, e sobre tudo, de me decepcionar.
Somente assim aprenderei.
De tudo o que é efêmero, das riquezas passageiras, a despeito daquilo
que as palavras possam conceituar, deixe-me no silêncio das minhas memórias.
Ao meu lado quero os loucos, que assim como eu, esperam de si e do outro algo maior!


Aline Larissa Leite de Araujo