sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Meia-Noite




Você vai olhar o céu em busca de um sinal luminoso.
Talvez não se dê conta que os fogos o deixam deslumbrado. Mesmo que você não goste, esses são os artifícios que marcarão a passagem.
No minuto seguinte já é novo ano!
Aquele mesmo que você passou os últimos dias planejando, agora faz parte do tempo presente. De fato não há diferença que se dê de um minuto para o outro, a não ser no nosso imaginário.
O segredo é agir!
Nada que apenas as agendas possam registrar. Temos uma chance de recomeçar, com a certeza de que o processo de lapidar a si mesmo é árduo, perigoso e complexo. Mas ao mesmo tempo é a única chance que temos de nos tornarmos mais completos e divinos.
Que as luzes dessa meia-noite se façam presentes ao longo do ano, iluminando nossas incertezas, ajudando a ver nossas antigas fraquezas, e que no próximo sinal estejamos certos que o melhor foi feito por nós, dia após dia!


Aline Larissa Leite de Araujo

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Tecendo pensamentos e ações (2)




Trocando escolhas por alternativas...
É mais saudável, pressiona menos.
Talvez o dicionário as coloque como sinônimos, ou no mínimo uma coisa derivada da outra.
Mas ás vezes é preciso mudar o significado da palavra, romper conceitos, dar a vida neologismos que nos faça menos previsíveis e mesquinhos.

Aline Larissa Leite de Araujo

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Vaga(lume)ndo





Acidez que amarga a palavra proferida, o gesto oculto, a paz perdida.
Equilíbrio distante a ignorar a força da vida.
Através do meio, imersa, descrente.
No momento obscuro do vaga-lume. A aguardar o alumiar! 

Aline Larissa Leite de Araujo


quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Tecendo pensamentos e ações (1)





Contra os anseios que nos transformam em seres previsíveis e tendenciosos para tudo o que não é luz, eu luto.
Da rota que me impede de ser com o outro, por mim e pelo próximo, busco desvio.
Para tudo que é certo, incomum e salutar, cultivo coragem!
Óculos de caráter para ampliar horizontes, coração aberto para assimilar aprendizado, na alma à leveza que preza a justiça.
Um dia de cada vez. De dentro pra fora. Ser espelho e reflexão!

Aline Larissa Leite de Araujo

sábado, 17 de setembro de 2011

Make Up



Dó de tirar certas maquiagens. Do rosto, da vida.
São defesas, embelezas.
Pinturas que escondem imperfeições. Do corpo, da alma.
Lápis para traçar rotas, pó que sobe do sapato, sombra que surge dos meus passos delineia o que deixo para trás.
Compacto. Não cabem na vida os sonhos que tenho!
Intacto. A máscara esconde a essência, o cenho!

Aline Larissa Leite de Araujo

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Meão





A mediocridade humana ás vezes atinge certo patamar que impossibilita a prática da empatia em doses que, possivelmente, tornaria mais leve a arte de conviver. Poderia ser diferente, deveria ser diferente!
Qual parte me cabe neste processo? Qual ato me difere dos que vivem a margem do esperado?
Fazer o que está previsto é fácil, difícil é ir além.
Ser gentil com os que se apresentam como superiores é fácil, quero ver tratar os tachados de menores como iguais.
Preocupa-me saber como tenho tratado os meus, como os tenho visto no espelho da minha consciência.
Quebrar o reflexo obscuro que vislumbro neste espelho, paradoxalmente ao dito popular, pode evitar que me venha sete anos de azar. É como quebrar certos paradigmas, sair da zona de conforto e renovar. Requer coragem, ás vezes o não pensar.
Parece óbvio, obsoleto, repetitivo. E realmente o é.
Importa saber como buscar a nobreza do coração, além daquilo do que tenho feito, que tenho visto.
Estou fugindo da mediocridade que absorvo inconsciente e reproduzo inconseqüente entre as almas que encontro.


Aline Larissa Leite de Araujo

terça-feira, 6 de setembro de 2011

Sombras




Por vezes atormento-me com a minha sombra, que acompanha os meus
passos mais errantes.
Reflito no asfalto meu lado escuro, com meus pés tento me alcançar.
É inevitável, inatingível!
É como se fosse impossível esquecer a dialética do ser, ora claro, ora escuro.
Ora sereno, ora absurdo.
Contudo não deixo de caminhar, transpasso obstáculos e vou.
Até mesmo por que amar a si mesmo sugere que vençamos, diariamente, 
nossa eterna e humana escuridão.



Aline Larissa Leite de Araujo

quarta-feira, 20 de julho de 2011

20 de Julho





Diga-me com quem tu andas... Eu ando com os melhores!

Os raros, os de fé, que comigo caminham, são parte das marcas do tempo que aos poucos deixa seu rastro em cada ruga, alegria e decepção. Na companhia dos meus tudo isso virou aprendizado.
De cada um eu trago sempre a melhor palavra, o gesto mais simples, o sorriso mais sincero... E como humilde forma de retribuição eu sorrio, eu digo, eu ajo, para que comigo eles também possam desfrutar a dádiva da amizade!

Erro, infinitas vezes... Equívocos, questionamentos em vão... A eles a gratidão pelo perdão e paciência de sempre!

A velocidade das coisas tem cada vez mais nos afastado, a internet trocando abraços por “curtidas”, mas é preciso sempre saber a importância do olhar, da voz, do momento...
E se hoje você, assim como eu, pode dizer verdadeiramente que tem amigos, não deixe de se manifestar, o que fica subentendido ás vezes faz bem em ser dito.

Feliz Dia Mundial do Amigo para aqueles que sabem a importância e o peso da palavra amizade!


Aline Larissa Leite de Araujo

domingo, 17 de julho de 2011

Stand



Não estou me colocando para baixo, apenas no meu devido lugar. Encarando minhas limitações e guardando meus movimentos para outro momento. Vou me guardar, fechar a gaveta e esperar. Qualidades também precisam ser lapidadas.
Stand by me!

Aline Larissa Leite de Araujo

quinta-feira, 7 de julho de 2011

Durex



Ás vezes sinto-me como um durex...
Não ria da simpleza da analogia.
Durex quase sempre perde a ponta, sai do ponto.
Eles remendam, fixam, soltam...
Assim como sentimentos, momentos e relacionamentos.
Mas de todos os atributos deste objeto é a transparência que mais me cativa.
Que a cada dia eu saiba ser sempre sincera e transparente, e acima de tudo útil para os outros, assim como o singelo durex!


Aline Larissa Leite de Araujo 

quarta-feira, 6 de julho de 2011

Incompletudes




Tradicionalismos que não acrescentam.
Aonde foi mesmo que o passo se desfez?
Podem ser domingos, janeiros ou quartas – feiras.
Quando foi mesmo que o tempo nos desfez?
Porção de desalinhos entre a mente e o coração.
Será que algum dia vence a força da razão? 


Aline Larissa Leite de Araujo

sábado, 2 de julho de 2011

Historiadora





E agora retomo aos meus livros empoeirados, que me aguardaram fielmente até que esse momento chegasse.
Aos filmes que ainda não vi, aos amigos que de lado deixei.
Meu violão terá meu toque sem culpa!

Mas há algo diferente... Não é apenas uma questão de status.
O amor pela História não surgiu nos minutos mais importantes da minha vida Acadêmica.
Antes mesmo de cair de pára-quedas nos fascínios da História, ela já fazia parte de mim.

E hoje eu tenho certeza que nenhum filme, livro ou canção, serão vistos ou ouvidos de maneira despretensiosa... Historiar cada coisa vai ser exercício constante, de maneira natural e prazerosa.

Estranhamente não me sinto mais esgotada, mas sim renovada... Que venham mestrados, doutorados, projetos diversos. Estou mais do que nunca a disposição da História e de tudo que me remete a ela!

Aline Larissa Leite de Araujo

segunda-feira, 20 de junho de 2011

Amizades Reveladas


(Singelas palavras escritas em 17 de Agosto de 2010 para minha querida amiga Fernanda Nahás. Postadas hoje como pequena demonstração de carinho e sinceros votos de felicidade!)


“As pessoas grandes adoram os números. Quando a gente lhes fala de um novo amigo, elas jamais se informam do essencial. Não perguntam nunca: “Qual é o som da sua voz? Quais os brinquedos que prefere? Será que coleciona borboletas?”Mas perguntam: “Qual é sua idade? Quantos irmãos ele tem? Quanto pesa? Quanto ganha seu pai?”
Somente então é que elas julgam conhecê-lo. Se dizemos às pessoas grandes: “Vi uma bela casa de tijolos cor-de-rosa, gerânios na janela, pombas no telhado…” elas não conseguem, de modo nenhum, fazer uma idéia da casa. É preciso dizer-lhes: “Vi uma casa de seiscentos contos”. Então elas exclamam: “Que beleza!”.

            O Pequeno Príncipe.

Antoine de Saint-Exupéry.


Desta maneira posso dizer que:

Não sei e não me importa saber onde te abrigas com teus familiares...
Basta apenas que eu perceba os valores que moram em seu coração!

Tão pouco me importa se os caminhos trilhados são repletos de erros...
Basta que possamos aprender no presente uma maneira de não mais errar!

E se me apresentares sua lista de defeitos, acharei perfeito...
Pois, a condição humana nos propõe a humildade para reconhecer nossas limitações!

Se mostrares contrariedade ás minhas opiniões, ouvirei com atenção...
Desta maneira, me apresentará outros horizontes que me fogem a visão!

Apresentando-me lamúrias e contrariedades agradecerei eternamente, por me dar a oportunidade de exercitar a compreensão!

Peço-te apenas que jamais se curve diante das indecisões, presentes para apurar a firmeza dos laços que nos unem á Deus... Nem mesmo se diminua diante de si mesma, pois assim estará duvidando da centelha divina que brilha em você!

E se os dias de tristeza vierem, sofra... Mas somente o suficiente para aprender e se tornar mais forte, pois do contrário seu sofrimento será em vão!

Se o medo da solidão enfeitar teus dias mais longos, aproveite-o para descobrir o quão bom é estar com você mesma e assim os ventos divinos de certo trarão o amor numa próxima estação!

A mim basta apenas dizer que sempre estarei vigilante e disposta para com os que à vida me traz, e se por algum motivo essa amizade se fez que, saibamos bem dela aproveitar, afinal, “tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas.” 


Aline Larissa Leite de Araujo

domingo, 19 de junho de 2011

Espiral


Os ciclos vitais que constroem nossas existências apresentam formas espirais, á medida que a cada nova etapa a maturidade nos apresenta um quê de dificuldade a mais.

Engano-me ao pensar que as situações se repetem.

Na verdade, o que aparentemente se repete, sugere que nós nos aprofundemos mais e mais, na busca de um melhoramento essencial a nossa capacidade de humanizar-se e elevar-se, gradativamente.


Aline Larissa Leite de Araujo

Subliminar




Que a mediocridade utilitária que compõe meu cotidiano, não apequene minha alma.
Que ela se eleve sublime, a despeito de qualquer passo vão praticado pelo meu corpo!

Aline Larissa Leite de Araujo

terça-feira, 7 de junho de 2011

(Ex) essência




  "Feitos de feitios, desejos, inspirações...
Queria um momento sem pensar, pra quem sabe assim ver tudo mais claro depois.
O sentimento de impotência pode ser o mais desesperador... 
A vida passando, o tempo esvaindo-se... 
O passado já é,  a todo momento!
Perecíveis e efêmeros... 
Nada compete apenas a nós. Tudo vem do Universo e a ele torna!
A nós o esforço de fazer o melhor em cada instância."

Aline Larissa Leite de Araujo

domingo, 29 de maio de 2011

Inconstância



Quase nunca sei de onde vem esse espasmo de alegria, esse suspiro de confiança que se manifesta esporadicamente.
Essa inspiração oportuna que surge quando falta o papel...
Qualquer canção conduz a divindade do momento, que de lúcido dura pouco... Minha sanidade é temporária.
Amanhã já é tempestade!

Aline Larissa Leite de Araujo

quarta-feira, 18 de maio de 2011

Volúvel



Tudo está muito nítido, mesmo que embaçado.
A cada passo um vazio que se firma como definitivo e necessário.
As coisas são assim.
A vida é assim: volúvel!
Pessimismos de lado, passemos a admirar o desconhecido, e cuidemos de nossa memória.
Será ela nossa companheira mais doce e o consolo mais íntimo quando doer a saudade! 

Aline Larissa Leite de Araujo

sexta-feira, 13 de maio de 2011

"Mesmo que o tempo e a distância digam não!"




Minutos valiosos, ricos de simbolismo e veracidade.
Em volta de uma mesa, sorrisos, silêncio, canção...
Felicidade que conforta por dentro e vence a falta de tempo que recai sobre nós.
O essencial ainda existe, e não é preciso ver pra saber!

Aline Larissa Leite de Araujo

domingo, 8 de maio de 2011

The time is gone




Sei cada dia mais lidar menos com o tempo que se esvai... tudo tem parecido mais antigo do que de fato é!
Resquícios de uma alma velha insidem sobre meu corpo. 
Não percebo, quando vejo, já foi.
Canções não cantam, palavras não dizem, silêncio traduz!
Minha velha alma nova necessita por si e para si, equilibrar-se, desenvolver-se, renovar-se.
Para isso, a cada dia, nova manhã...
Alguém disse que o tempo curava, acho que me receitaram o relógio errado!


Aline Larissa Leite de Araujo

segunda-feira, 18 de abril de 2011

The dark side



E por mais que o tempo passe e nos transpasse a razão
Há uma centelha que ainda brilha a buscar motivação!
Poucas luzes se fazem brilhar sem deixar escurecer...
Muitas estrelas ainda brilham mesmo depois de morrer!
O apagar das luzes nada mais é que renascer... para si...
Por dentro e para fora!

Aline Larissa Leite de Araujo

sexta-feira, 15 de abril de 2011

Sol maior



Não sou só.
Só é quem já teve alguém.
Comigo tenho a mim, melodias e palavras...
 E isso basta!
Basta?
 Basta...

Aline Larissa Leite de Araujo

quinta-feira, 7 de abril de 2011

O mundo vai acabar em...



Cada criança morta.
Toda corrupção, anunciada ou não.
Nos tremores de Terra e ataques suicidas.
Nos clamores indigestos, no aumento da gasolina.
A cada vida extinta pela ganância humana, que destrói, desrespeita, se emudece e não se move!
Não há a quem culpar... Somos todos dessa raça predisposta a matar.

Matamos sorrisos, esperanças, natureza e bons gestos!
“O homem é o lobo do homem”, desde sempre, mas haverá mesmo de ser pra sempre?


Aline Larissa Leite de Araujo

terça-feira, 29 de março de 2011

Quando falam as estrelas






Por um amor real ou imaginário...
Duvido do óbvio, vou contra todo indício!
Por canções, palavras e ausência...
O que não existe ainda me consome!

Minha Estrela disse com convicção: amar dói!
“quando se está bem, e quando se está mal”...
Como duvidar das estrelas?

Impossível...

Cabe a mim me opor, transpor o momento, deixar que o Outono
leve cada inútil e indescritível sentimento.


Aline Larissa Leite de Araujo 

segunda-feira, 14 de março de 2011

Ausências



Seres feitos de ausências.
Pois é assim que somos...
A diferença está em não perceber as ausências que passamos a suportar!

Seja pelo tempo, distância, estação, momento.
Ausência de coisas, lugares, pensamentos...
A de luz nos dá o escuro, a de esperança, relento.

Ausência de pessoas, presença de nós mesmos!


Aline Larissa Leite de Araujo

domingo, 13 de março de 2011

Passos que ensaio no escuro - ideias desconexas



I
Despedidas que se fazem ao acaso, como areias que transportam nossos passos.
Caminhamos sobre a chuva insistente, que nos priva a luz do sol irradiante.
Enquanto isso, risos largos enfeitam olhos firmes, que vagueiam por instantes de atenção!



II
Complexidade inerte em cada fato,
Nossa escolha determina a ação.
Caberá a cada ser iluminado encontrar sua centelha de razão.



III
Luz fragmentada na ilusão do nosso tempo,
Diz-me o momento, despertai meu coração.
Já não foi-se a hora de alumiar cada invento que habita minha alma só e sã.


Aline Larissa Leite de Araujo



terça-feira, 1 de março de 2011

Angústia




"Tudo o que você não verbaliza te consome...
De uma maneira ou de outra.
A dinâmica do sentir é que escolhe se vira palavra, ou se fica na alma insone!"

Aline Larissa Leite de Araujo

El Principito




Deus conversou comigo no ônibus hoje. De maneira corriqueira Ele 
me apresentou histórias de vida, e acho bem que Ele queria que eu pensasse na minha!
Através do semelhante desconhecido Ele citou Raul ao relento e em 15 minutos eu revi todos os meus sonhos, não mais disposta a querer deixá-los passar!


“Sonho que se sonha só
É só um sonho que se sonha só
Mas sonho que se sonha junto é realidade” Raul Seixas. 


Aline Larissa Leite de Araujo

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Nome composto



Há sempre uma coisa que nos completa,
canto de pássaro, palavra de poeta...
Há sempre uma prosa que vira canto,
desafino certo, riso no pranto...
Óculos pra perto afinidade entoa,
silêncio no momento certo, amizade que abençoa!

Aline Larissa Leite de Araujo

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Adiante


Grão de força a esvair-se ante as mazelas deste mundo,
corpo calmo que abrigas alma agitada d'outro plano, repousai!
Passar dos dias que acresce na conduta posteridade de belezas, acordai.
Fazeis da vida arcabouço de doçura e caminha, crê no nascer do dia e segue!


Aline Larissa Leite de Araujo

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Física




A busca por um ofício oficializa para muitos o caminho da maturidade.
Maturidade que ás vezes nos falta para escolher a direção que determinará o futuro de nossas vidas!
Mas o tempo nada nos pergunta, ele simplesmente nos cobra uma procura, um norte, uma postura...
Aos vitoriosos o gosto da conquista que será desfrutado ao longo da caminhada, aos que ficaram pelo caminho a certeza que a perseverança jamais fará mal algum.
Afinal, lançar-se a desafios é o que nos faz diferente e capaz!

(Parabéns aos amigos calouros de 2011!)

Aline Larissa Leite de Araujo

sábado, 5 de fevereiro de 2011

Nature



Tem dias que se resumem em minutos, que passam a ser nosso sustento.
Sentimentos que estrangulam a alma. Alma turra, indecisa, carnavalesca...
Perdidos numa paisagem que materializa a natureza deixamos com o tempo a missão da eterninade, cabendo a nós viver cada vão momento!

Aline Larissa Leite de Araujo

domingo, 16 de janeiro de 2011

Faz parte...



Egoísmo bom? Paradoxo.
Aquilo que somos é soma... Sentimentos, sensações, confusão.
Aquilo que fomos é múltiplo... Memórias, reflexos, percepção.

A lógica da vida se faz na dialética do ser.
Para todo amor a linha tênue do ódio, para toda boa ação a esperança de um retorno, para todo o trabalho, realização!

As estrelas dizem que isso faz parte...
 Todo sentimento humano tem a sua contradição!
A nós cabe a busca incessante pelo equilíbrio distante, perdido em alguma esquina.


Aline Larissa Leite de Araujo

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

no instante, agora.


Não vale a pena projetar o futuro sem reparar o agora. Nossos sonhos e desejos devem estar sempre presentes de alguma forma, se não a vida perde o sentido. Cada coisa chegará no tempo certo para nós.
Sonhar pode parecer bobeira, mas se moldarmos nossos sonhos com as possibilidades que a vida nos apresenta e abortarmos convicções infundadas, a chance de nos realizarmos ficará cada vez maior.
Confie em você e no lindo futuro que começa a cada dia!
Aline Larissa Leite de Araujo

Seu número de sorte é 13, e a cor é laranja!



"Observe sempre suas inclinações e predisposições. Pois, somente assim você será capaz de buscar a si mesmo e perceber nos vazios de sua inquietude o que te falta para ser mais feliz e completo."

Aline Larissa Leite de Araujo

domingo, 9 de janeiro de 2011

Cinzas








A crise do ser que se põe a ruir,
Nada mais é que a tradução de um sentimento
Inquietante de renascimento
Que não sabemos reconhecer.

Assim como a fênix, há que se saber
Desenvolver em nós a habilidade de suportar
O “estado” de cinzas para enfim ressurgir,
Renovados para um novo ciclo.

Não temas, pois, se o renascimento enquanto dádiva
Parecer distante e inatingível...
Não há esforço que se faça em vão,
Nem sofrimento que se dê sem despertar sabedoria!

Só saberemos a força em nós presente, se situações adversas vivermos.

Aline Larissa Leite de Araujo